Memórias Falsas e Reprimidas

Atualizado: 31 de Dez de 2019

Você acha que tudo que você se lembra de ter acontecido realmente aconteceu? Esse texto vai te mostrar que não é bem assim que a coisa funciona.



Memórias Falsas e Reprimidas


As memórias falsas podem ocorrer de duas maneiras: de forma espontânea ou através de implantação por sugestão. As memórias falsas espontâneas são aquelas onde a distorção da memória se dá de maneira interna, através de auto-sugestão.


Memórias reprimidas, por definição, envolvem alguma supressão do mecanismo de recuperação de memória existente e que deveria ser recuperável, seja ela falsa ou verdadeira. Esta memória pode ser reprimida, por exemplo, com treinamento; se, uma memória, digamos dolorosa, está começando a se formar, você pode treinar sua mente para pensar em outra coisa, até que esse processo se torne automático e você não consiga mais recuperar aquela primeira memória, pois ela é literalmente substituída.


Entretanto, essa supressão pode acontecer de forma automática, sem sua intervenção consciente, o que levaria à formação de uma memória falsa espontânea. Sendo assim, ao tentar recuperar uma memória, por exemplo de um estupro, a memória falsa pode tomar o lugar da original. Isso faz com que você pense que algo aconteceu, quando na verdade não aconteceu ou vice-versa.


Vários psicólogos clínicos ficaram vem conhecidos nos anos 80 por utilizarem hipnose para solucionar casos de memórias reprimidas. Entretanto, como a memória foi efetivamente substituída, ao invés de resgatarem as memórias originais, as falsas saltavam como se fossem as verdadeiras e muitos crimes foram “solucionados” de maneira a condenar as pessoas erradas. Esse movimento perdeu sua credibilidade quando evidências factuais comprovaram que alguns dos condenados não poderiam realmente ter comedido os crimes por que, por exemplos, não estavam na cidade quando esses crimes aconteceram.


Estudos realizados pela psicóloga Elizabeth Loftus também mostraram que a sugestionabilidade que ocorre durante a hipnose e em certas técnicas de interrogatório podem criar memórias falsas para eventos implantados que claramente nunca ocorreram, especialmente em crianças. Isso não quer dizer que não seja possível recuperar memórias reprimidas, apenas que a hipnose e as técnicas de interrogatório não são métodos confiáveis para recuperar casos reais de memórias reprimidas.


Essas memórias falsas podem ser implantadas deliberadamente, isto é, com a intenção de criar memórias falsas, ou de forma acidental, sem a consciência da influência da sugestão na criação de memórias. Cabe ressaltar que tanto as memórias falsas criadas espontaneamente quanto as sugeridas são fenômenos de base mnemônica, isto é, lembranças (recordações), e não de base social, como a mentira ou simulação.


Em suma, quando se trata de recuperação de memória, não podemos acreditar em nossa mente, como se ela gravasse tudo, igual uma filmadora. Nossa memória é plástica, isto é, adaptável, e vai sempre misturar memórias com base na similaridade da informação, mesmo estas informações não sendo correlatas.

Memórias Falsas e Reprimidas no YouTube

https://youtu.be/Zi1RsM7shSU


Texto por Gustavo Licursi

Faculdade da Mente

Fontes: STEIN, Lilian Milnitsky; NEUFELD, Carmen Beatriz [Arq. Ciênc. Saúde Unipar (2001)]; e AMTHOR, Frank Ph.D. (2017)

18 visualizações

©2020 por Faculdade da Mente.

SMPW Trecho 3 Bloco B Loja 15 Edifício BanShop - Brasília/DF

CNPJ 24.701.671/0001-48

Telefone/WhatsApp +55 (61) 4141-9965

A data estimada para entrega dos produtos dependerá do produto escolhido